É fácil opinar para quem não tem que tom

É facil opinar para quem não tem que tomar a decisão

Falar é fácil. Difícil é fazer.

Muitas pessoas se colocam para solucionar o problema do outro, contudo, como você deve agir para decidir o que fazer? Aconselhar e opinar por soluções da vida alheia é simples, contudo existe uma grande complexidade, visto que cada ser humano tem sua experiência e vivência única de um mesmo fato.

Para tanto, quando precisamos decidir sobre um fato que irá mudar nossa vida, é necessário ponderar e refletir pelas consequências desse ato. Aceitar opiniões nem sempre facilita a solução do problema.

Dar opiniões pode parecer simples, mas como ver o problema pelo olhar de quem esta vivenciando o mesmo? Como podemos aconselhar se nossos sentimentos não estão envolvidos? Os desafios, as oportunidades e as tomadas de decisão são fatos constantes do dia a dia de muitos seres humanos. Basta observar o seu cotidiano. E, obviamente, algumas decisões são mais difíceis.

O poder de decisão é essencial para manter a saúde fisica e mental, mas nem sempre é uma tarefa fácil. Em situações mais complexas, tomar um veredito exige tempo, discernimento e análise. Quando alguém deixa de decidir entrega a vida ao acaso.

Nesse processo você vai se deparar com momentos de dor, frustração, impaciência e insegurança necessários para qualquer trajetória de vida. No final de tudo será melhor ter passado por momentos turbulentos e vencido do que ficar apenas no “e se”.

Quando uma pessoa prática o seu poder de decisão, ela aumenta a sua visão sistêmica, segurança e autoconfiança, além de se tornar mais flexível e criativa perante as circunstâncias, aumentando assim, sua qualidade de vida.

O respeito pela angustia da decisão do outro é o primeiro passo para o apoio e entendimento de que cada indivíduo tem suas perspectivas e visão de mundo e nem sempre é tão fácil decidir algo em qual não estamos envolvidos emocionalmente.

Cristina Nahum Psicóloga

Silvia Adolfo Assistente Social