O coração e o amor

O coração e o amor

De que maneira se relaciona o coração com os sentimentos e emoções?

A história da humanidade traz no seu bojo a crença de que o coração é o órgão humano que detém as emoções e la se encontra a origem dos sentimentos, como o amor, a coragem, a bravura, a raiva, a alegria, a irritação e a tristeza, que afetam diretamente o comportamento humano e podem gerar alterações significativas no funcionamento do órgão.

É comum também dizer que, quando alguém age de forma errada ou com maldade, são pessoas ruins e que não tem coração. Contudo, cientificamente sabe-se que o cérebro é quem gerencia a conduta de todas as informações referentes ao comportamento humano e o contexto social, lá fica a base de todos os sentimentos, pensamentos e emoções.

Sabe-se que o coração pode se comprometer fisicamente quando tem emoções fortes. As doenças cardíacas, podem se apresentar com o medo, a ansiedade e a depressão, indicando que o coração e o cérebro interagem o tempo todo.

Em 1952 pesquisadores definiram que a região do cérebro chamada de sistema límbico, captam informações externas e transforma-as em emoções, nesse processo, por meio de reações químicas e físicas , o cérebro atua no funcionamento de todo o corpo humano.

O ser humano romantiza o coração, reverenciando ao amor, porem cabe ressaltar que ele é um órgão importante e vital para o funcionamento de todo o corpo humano.

O individuo ainda possui a crença de que o coração gera todo um comportamento de bondade, humildade, empatia, solidariedade entre outros sentimentos, que carregam a incumbência de valorizar atitudes éticas.

O coração abriga o afeto, e com esse sentimento o ser humano acredita que é ele quem vai priorizar atos de bondade, humildade e coragem, que enobrecem o ser humano.

Ai vem a pergunta: o que você guarda dentro do seu coração?

“Não são as nossas pernas que nos levam até aonde queremos ir, é o nosso coração.”

Cristina Nahum Psicóloga

Silvia Adolfo Assistente Social